Sinto muito mas não me esperem

26.1.09

Depois de acordares

Olhos cansados, envoltos no fumo do cigarro que colaste aos teus lábios.
Negros, profundamente marcados. Amarelos, claros, tristes, não mais alegres. E a linha do teu perfil alterada.
Na testa a tua agonia, nas tuas mãos um bilhete de avião.
O teu cabelo enrolado, um castanho diferente.
As tuas unhas partidas, sempre partidas, bonitas.
Repulsa.
A mesma camisola de sempre, de outra cor e os teus braços compridos… macios…
O cheiro, o cheiro que não se foi embora. Cipreste, orvalho e morangos gelados.

Não penses que não sei o que fizeste, não consideres que não sabem quem tu és. Não me enganas com a tua voz, não me enganas. Estou de olhos fechados.

Eu subi os degraus até ao último patamar. Tu ficaste sentado, como sempre, tu e o teu cigarro. Eu toquei nas pedras, senti-lhes a forma, atirei-as ao ar e devolvi-as.
Tu sorriste, simplesmente.

Orelhas impostoras, ofensivas, presentes.
E não me deixas envenenar-te, afogar-te, não me deixas respirar.
Perco o fôlego e os teus velhos olhos não se mexem. Divertes-te.
Meço-te em meses, divides-te em 4 (quatro).

Apaga-se a luz. Escureço.

1 comentário:

c.ré disse...

raras vezes aqui venho e quando o faço gosto do que vejo e leio.
Carlos Ré

Seguidores